Proteção excessiva contra o sol afeta produção de vitamina D

Durante os dias mais quentes de verão, o ritual de beleza de muita gente passa, impreterivelmente, pelo uso do protetor solar. O produto, bastante indicado pelos dermatologistas para proteger a pele da ação negativa dos raios ultravioleta, pode, no entanto, comprometer a saúde se for usado em excesso.

Isso porque a utilização desmedida do item, sobretudo na temporada de calor, evita que os raios solares atinjam o corpo e estimulem a produção de vitamina D, que é um importante nutriente, responsável por ajudar na absorção de cálcio e, consequentemente, no fortalecimento dos ossos e dos dentes.

“Nesta época do ano, boa parte das pessoas usa o filtro solar a cada duas horas e numa proporção que equivale a uma colher (de chá) cheia para cada região do corpo, como rosto, braço e pescoço. Por causa disso, a produção eficiente da substância no organismo acaba sendo prejudicada”, explica dermatologista especializada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

Como 90% da vitamina D depende diretamente dos raios solares, a recomendação para que a deficiência da substância no organismo seja recuperada passa, é claro, pela exposição à radiação. Para garantir o efeito necessário, é fundamental expor ao sol algumas partes do corpo, como pernas e braços, três vezes por semana, durante 15 ou 20 minutos, sem o uso do filtro solar.

“Já as pessoas que não podem ter o contato direto com os raios ultravioleta, como crianças com menos de seis meses de idade e idosos, devem receber suplementação oral de vitamina D”, indica dermatologista.

Além disso, quem estiver com os níveis abaixo do desejado também deve suprir a falta da propriedade com o consumo regular de alimentos que apresentam taxas mais concentradas da substância, como cogumelo, atum, sardinha, leite integral, gema de ovo cozida, iogurte e camarão.

Anúncios