Vacinação contra gripe começa dia 4 no estado de São Paulo

Moradores de São Paulo que fazem parte dos chamados grupos prioritários –crianças (entre seis meses e cinco anos), idosos (a partir de 60 anos), gestantes e puérperas (mulheres que tiveram filhos nos últimos 45 dias), indígenas, funcionários do sistema prisional e detentos, pessoas com doenças crônicas e os profissionais de saúde do Estado– poderão tomar a partir da próxima segunda-feira (4) a vacina contra o vírus influenza, causador da gripe, na rede pública de saúde.

A vacina é contra a gripe A H1N1, da pandemia de 2009, e outros dois tipos do vírus influenza, o A (H3N2) e o B. Além delas, também terá a vacina contra difteria e tétano e a pneumocócica 23-valente, contra pneumonia, meningite e bacteremia/septicemia (infecção generalizada do sangue), está disponibilizada para idosos hospitalizados ou que moram em asilos e casas de repouso e pessoa com doenças crônicas (cardiovasculares, pulmonares, renais, diabetes mellitus, hepáticas e hemoglobinopatias) ou imunodeprimidas (transplantados, com neoplasias e infectados pelo HIV).

A campanha vai até 22 de maio em todo o Estado, em mais de 6.000 postos de vacinação, entre fixos e volantes, além de 2.933 veículos, nove ônibus e quatro barcos.

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo pretende vacinar 11,8 milhões de paulistas, o que corresponde a 80% das 14,7 milhões de pessoas que são o público-alvo da campanha.

“A vacinação contra o Influenza é fundamental para evitar complicações decorrentes da gripe e doenças graves, como pneumonia”, afirma Helena Sato, diretora de Imunização da secretaria.

Segundo ela, a vacina, produzida pelo Instituto Butantan, órgão ligado à pasta, não causa gripe, pois “é composta apenas de partículas do vírus que são incapazes de causar qualquer infecção”.

Neste ano, o Dia D da campanha será no sábado (9), das 8h às 17h. De segunda a sexta, os postos de saúde fixos ficarão abertos no mesmo horário.

Anúncios