Cardápio contra a gota

Um cardápio da gota

Pesquisadores da Universidade de Otago, na Nova Zelândia, anotaram os comes e bebes acusados por 2 051 pacientes de deflagrarem crises de gota – quando a junta dói horrores e fica inchada e avermelhada. Não deu outra. Entre os vilões tradicionais (peixes, frutos do mar, carnes vermelhas e álcool), o tomate apareceu em quarto lugar, apontado por nada menos do que 20% dos entrevistados.
Mas por que o ingrediente que alegra qualquer salada seria capaz de tanto dissabor? A resposta veio de uma revisão de três experimentos, conduzida pelos mesmos neozelandeses, que reuniu dados de 12 mil pessoas, incluindo informações sobre a ingestão desse vegetal. A análise determinou que um tomate por semana aumenta em 0,01 mg/dl a concentração de ácido úrico no corpo. Parece pouco, mas é suficiente para impactar indivíduos com a gota fora de controle.
Contudo, o menu de quem tem gota não vive só de restrições. Estudos apontam que a proteína do leite, a vitamina C e a cafeína auxiliam na redução do ácido úrico. Acalmar a gota pede, sobretudo, mais variedade no cardápio. Os especialistas destacam que, em geral, não há necessidade de ficar neurótico com um ou outro alimento. Com a doença controlada, comer um bife até quatro vezes por semana, degustar uma banana madura por dia ou provar um camarão de vez em quando dificilmente acarretarão consequências dolorosas. E o mesmo raciocínio se aplica ao tomate, tão aplaudido no mundo todo por seus préstimos à saúde.

 

O tomate é rico em glutamato, substância que estimula a síntese de ácido úrico. Também contém compostos que atrapalhariam o transporte do ácido até os rins, onde é removido da circulação.

As versões comuns, assim como os sucos industrializados, estão cheias de frutose, que pode virar ácido úrico no organismo. Uma lata por dia aumenta em 45% o risco de uma crise.

 

Gera desidratação, dificultando a saída do ácido úrico pelo xixi. A pior bebida é a cerveja, que ainda carrega purina, precursora do ácido. Uma lata de 350 mililitros já pode detonar um ataque.

São repletos de purina. Vale evitar abusos diante de carnes vermelhas, miúdos, sardinha, anchova, atum, ostras, mariscos.