5 aplicativos para combater o Aedes aegypti

Mulher grávida no celular

Ele não para de fazer estragos. Até a oitava semana de 2016, foram registrados 396.582 casos prováveis de dengue e 3.748 episódios suspeitos de febre chikungunya, segundo o Ministério da Saúde. Quando se trata do zika, a pasta divulgou, nesta terça-feira (29), novos dados sobre o possível elo entre o vírus e os casos de microcefalia no país: das 944 confirmações para a malformação em recém-nascidos, 130 tiveram resultado positivo para o agente infeccioso.

Essa realidade tem se refletido em preocupação e cuidado entre a população – principalmente as grávidas, ameaçadas pelo zika, e as mães de crianças pequenas, que podem sofrer graves consequências com as picadas do mosquito da dengue. Fazer a sua parte ajuda bastante, mas, às vezes, não é suficiente. É preciso fiscalizar se todo mundo está contribuindo para que esse problema seja resolvido. E é a isso que se propõem diversos aplicativos disponíveis na AppStore e no GooglePlay. Selecionamos alguns que prometem ser uma mão na roda no combate ao aedes. Confira a seguir.

AntiZika

Bruno Coelho

A ideia é mapear os focos do Aedes aegypti. O usuário fotografa o lugar onde se encontra o criadouro do mosquito e, assim, ajuda a montar um banco de dados para ajudar agentes de saúde no combate a esse inseto. Por meio de um GPS, a ferramenta localiza o indivíduo que registrou a imagem. Ao colaborar com o AntiZika, o usuário ganha pontos e passa a integrar um ranking. Além disso, é possível escolher um avatar.

Disponível para: Android

Preço: gratuito

Aedes em foco

Bruno Coelho

Além de denunciar focos do aedes, este app também permite notificar casos das doenças transmitidas por esse mosquito. Outro diferencial é a avaliação do trabalho de combate que tem sido realizado pelos governos municipais, estaduais e Federal e o acompanhamento do que está sendo feito na região em que você vive.

Disponível para: Android e iOS

Preço: gratuito

Xô, Aedes

Bruno Coelho

Neste aplicativo, também dá para tirar foto dos locais que são foco do mosquito e enviar um comentário. O app conta ainda com um sistema de GPS que localiza o usuário onde ele estiver.

Disponível para: Android

Preço: gratuito

Sem dengue

Bruno Coelho

A ideia é parecida: registrar criadouros do Aedes aegypti. Esta ferramenta foi desenvolvida com parceria entre prefeituras e diversos órgãos governamentais do país. Desse modo, todas as publicações enviadas pelos usuários são disponibilizadas em uma plataforma acessada pelo setor público.

Disponível para: Android e iOS

Preço: gratuito

Dengue x Chik x Zika

Bruno Coelho

A proposta aqui é um tanto diferente: a partir de um questionário, o usuário pode saber a probabilidade de estar com dengue, chikungunya ou zika. O app também disponibiliza o formulário de notificação do Ministério da Saúde para que sejam registrados os casos dessas enfermidades. Na versão paga (R$ 2,99), a ferramenta dá orientações sobre tratamentos disponíveis. Mas lembre-se: isso não substitui uma consulta médica. Procure um especialista mesmo assim.

Disponível para: Android

Preço: gratuito