Novos exames podem detectar Zika vírus no sêmen

Alguns laboratórios brasileiros começaram a disponibilizar exames que podem detectar o Zika vírus no sêmen do homem. Já haviam testes que conseguiam encontrar o vírus no sangue, urina, saliva e líquido amniótico. Os testes usam a tecnologia PCR, que localiza partes do vírus no líquido.

Tal medida é importante, pois não se sabe ainda se o vírus no sêmen pode passar a doença para os parceiros. Até agora, todos os casos em que se suspeita de transmissão sexual do Zika vírus são em mulheres que tiveram relação com homens que estavam com a doença ou estiveram em locais de circulação ativa do Zika vírus.

“Não se sabe ainda o que pode acontecer se um bebê for fecundado em uma relação em que o sêmen do homem estiver infectado com o vírus da Zika”, explica o geneticista Ciro Martinhago, do laboratório Chromossome Medicina Genômica, um dos primeiros a oferecer esse exame. No entanto, a Anvisa passou a exigir que casais que querem passar por processos de fertilização façam o exame de Zika vírus antes, mesmo os doadores de óvulos e espermatozoides.
Como pessoas podem ter o Zika vírus sem apresentar sintomas, é importante que todos os maridos de mulheres que estão grávidas ou querem engravidar façam esse exame, ressalta o especialista. Há também a recomendação do uso de preservativo por casais em que a mulher esteja grávida, para garantir que não haja mesmo infecção pelo vírus na gravidez.