5 tipos de massagem liberados na gravidez

Mulher recebendo massagem

Conforme a gestação avança, as grávidas experimentam uma série de incômodos – dor nas costas, inchaço, ansiedade e tensão são alguns deles. Para lidar com tudo isso, muitas vezes ter calma e paciência não é suficiente. Daí porque os especialistas indicam, por exemplo, a prática de atividade física. Mas há também um outro recurso capaz de dar um chega pra lá nessas chateações: as massagens. Essas técnicas têm como objetivo principal propiciar um relaxamento corporal (músculo e esquelético) na gestante, além de ativar as correntes sanguínea e linfática.

Por precaução, as massagens são liberadas pelos obstetras após o primeiro trimestre de gravidez. Antes disso, o risco de a futura mamãe sofrer sangramentos ou até perder o bebê é maior. Em outras fases da gestação, esses procedimentos só estão contraindicados nas pacientes que apresentam perda de sangue ou de líquido amniótico. Aquelas que têm contrações durante a massagem devem ter cuidado redobrado.

Vale destacar que, mesmo nos casos em que a gravidinha não apresenta qualquer complicação, é necessária autorização médica para começar a frequentar clínicas de massagem. Procurar estabelecimentos que contem com profissionais especializados em atender mulheres que esperam um bebê também é fundamental.

Saiba quais tipos de massagem são indicados na gravidez, os benefícios de cada um e os cuidados necessários. Confira:

1. Drenagem linfática

Benefícios para a gestante

O principal objetivo dessa massagem é drenar os líquidos do corpo – que sofrem retenção durante a gestação, causando o inchaço. O efeito é obtido a partir da ativação das circulações venosa e linfática. Outra vantagem dessa técnica é o relaxamento.

Como funciona

A drenagem é feita manualmente, em velocidade lenta. Os movimentos são leves e ocorrem no sentido de empurrar os líquidos para cima – do pé em direção à virilha, por exemplo. Em geral, o procedimento é realizado com o auxílio de óleos essenciais, principalmente o de lavanda, que tem propriedades calmantes.

Cuidados

Mulheres grávidas com hipertensão sem controle, que já tiveram alterações linfáticas (como trombose) ou que estão com alguma infecção não tratada devem evitar a drenagem – a menos que o médico permita. Para as que estão liberadas, fica o alerta: o ideal é que a massagem não seja feita na região do abdômen. Além disso, no fim da gestação, o melhor posicionamento é de lado – e não de bruços.

Quando pode ser feito

A partir do segundo trimestre de gestação até o fim da gravidez.

2. Relaxante (ou clássica)

Benefícios para a gestante

A ideia é garantir o relaxamento muscular.

Como funciona

Com a pressão das mãos, a pessoa que aplica a massagem faz uma série de movimentos a fim de aliviar a tensão dos músculos. Ao contrário da drenagem, as movimentações não têm uma direção específica.

Cuidados

As restrições são as mesmas da drenagem. Essa técnica tampouco deve ser aplicada no abdômen, independente da fase da gestação. O profissional precisa redobrar a atenção com a pressão das mãos, que deve ser mais leve na gestante. Quanto ao posicionamento, o melhor é que a grávida não fique muito tempo de barriga para cima, pois pode haver compressão da veia cava, diminuindo a oxigenação, e tensão do nervo ciático.

Quando pode ser feito

Após o primeiro trimestre da gravidez até o fim da gestação.

3. Shiatsu

Benefícios para a gestante

Esta massagem de origem oriental oferece muitos benefícios às futuras mamães. Isso porque, além de trabalhar aspectos físicos, o shiatsu também visa promover o bem-estar emocional e energético do indivíduo. A técnica ajuda na redução das dores, do estresse, da insônia, da ansiedade e até do inchaço. E não para por aí: melhorar a digestão e regular o sistema hormonal também são benefícios que se encontram nessa lista.

Como funciona

A proposta do shiatsu é trabalhar, com os dedos, os meridianos, que são pontos específicos do corpo. Eles funcionam como canais de energia e estão presentes, por exemplo, nas articulações, nos músculos e nos nervos.

Cuidados

Pressão alta, infecções, inflamações e fraturas são alguns dos problemas que impedem a gestante de fazer o shiatsu – a não ser que haja aval médico. No caso daquelas que podem fazer a massagem, vale o cuidado de não trabalhar nas regiões da barriga e da lombar. Garantir que o massagista faça uma pressão mais leve também é importante para as gravidinhas.

Quando pode ser feito

Mesma regra: do segundo trimestre até o fim da gravidez.

4. Reflexologia

Benefícios para a gestante

Assim como o shiatsu, esta técnica tem como proposta atuar em diversas frentes: aliviar o estresse, diminuir a dor e o inchaço, melhorar a circulação, promover relaxamento e melhorar a imunidade.

Como funciona

A reflexologia estimula pontos localizados nas solas dos pés. Essa massagem também é feita manualmente.

Cuidados

Ao massagear uma gestante, o profissional deve ter cuidado para não exagerar na pressão das mãos. Outra questão são os pontos que ele vai ativar: mesmo que o procedimento seja feito nos pés, diversas partes do corpo serão afetadas.

Quando pode ser feito

Da 18a semana gestacional em diante.

5. Perineal

Benefícios para a gestante

A meta é relaxar a região do períneo – localizada entre a vagina e o ânus -, a fim de facilitar o parto normal.

Como funciona

Nesse caso, a gestante faz uma automassagem, com as mãos ou com um massageador. Os movimentos se concentram na área perineal e devem ser feitos no formato da letra U, descendo até o ânus e subindo novamente. A futura mamãe pode escolher a posição que mais se sentir confortável, mas a melhor é a ginecológica.

Cuidados

Além de obter a orientação (e a autorização) de um médico ou de um fisioterapeuta especializado nessa massagem, é importante que a grávida limpe bem as mãos antes de fazê-la. Utilizar um gel lubrificante à base de água é outra recomendação.

Quando pode ser feito

A partir da 32a semana de gravidez.

Advertisements