Fezes claras, secas, escuras, verdes… especialista diz o que elas indicam

Fezes de coloração acastanhada, com formato de salsicha e superfície lisa ou com fendas são consideradas normais por especialistas. Mas e quando isso não acontece? E pior ainda, quando o cocô parece estranho por vários dias seguidos, o que isso quer dizer?

Entramos em contato com o Dr. Roberto Gomes, gastroenterologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, para saber o que as fezes podem dizer sobre a nossa saúde. De acordo com o especialista, o cocô reflete a qualidade da nossa alimentação e, portanto, está relacionado com o tipo de alimento ingerido no dia a dia.

img_1_27_4490

Além disso, alterações na cor, forma e consistência das fezes podem indicar problemas de saúde como infecções intestinais, hepatite, úlcera gástrica, insuficiência pancreática, dentre outros. O uso de alguns medicamentos também pode interferir no processo de digestão e alterar o aspecto das fezes”, completou o médico. Confira o que ele disse sobre essas alterações:

Fezes esbranquiçadas

“Indicam dificuldade do intestino para digestão de gorduras. Por isso, podem ser indício de alguma doença como infecções intestinais, hepatites, cálculos na via biliar, pancreatite, doença celíaca, dentre outras. Alguns medicamentos utilizados para emagrecer, que atuam diminuindo a absorção de gordura no intestino, também causam esta alteração.”

Fezes verdes

“Indicam que o intestino está funcionando muito rápido e não tem tempo suficiente para digerir corretamente a bile, e, por isso, é normal o surgimento de fezes verdes em situações de estresse, quando se ingere muitos vegetais verdes – como espinafre – ou quando se faz suplementação de ferro (neste caso, coloração verde escura). Também podem ocorrer após consumo recente de antibióticos que reduzem a flora bacteriana normal do intestino.”

Fezes escuras

“Podem indicar sangramento em algum lugar do sistema digestório superior, geralmente no início do tubo digestivo como no esôfago ou estômago, devido a úlceras ou varizes, por exemplo. Neste caso, são geralmente acompanhadas por um odor mais fétido do que o normal. Outro motivo é uso de suplementos de ferro.”

Fezes duras e secas

“ Geralmente, na forma de bolinhas rígidas e difíceis de eliminar, indicam constipação . Podem ser causadas pelo baixo consumo de água e fibras, alterações hormonais, dentre outras causas.”

Fezes moles e aquosas

“Diarreia. Esta consistência pode sinalizar problemas no estômago, intestino, fígado, dentre outros. Má alimentação, com o consumo excessivo de doces e alimentos gordurosos, além do estresse emocional, também são causas comuns.”

32imxwco9prj2e6j9365thpq0

Presença de muco

“A ocorrência em uma pessoa saudável e com as fezes aparentemente normais não costuma ser sinal de nenhum problema relevante. Este muco nas fezes é apenas um resquício do muco presente na parede do intestino, cuja função é lubrificá-la para facilitar a passagem do trânsito intestinal. Portanto, pequenas quantidades de muco podem surgir de forma intermitente nas fezes sem que isso signifique qualquer problema de saúde.

No entanto, se a eliminação de muco for muito frequente e em grande quantidade, pode ser sinal de inflamação intestinal. Neste caso, as possíveis causas incluem gastroenterites infecciosas, doença de Crohn ou retocolite ulcerativa.”

Presença de espuma

“Indica gordura nas fezes, geralmente o cocô flutua na água e tem odor mais fétido. Alterações digestivas e absortivas podem causar o sintoma. As desordens digestivas se devem a alterações na produção e liberação de enzimas pelo pâncreas ou de bile pelo fígado/vesícula biliar. Já as absortivas são causadas por distúrbios na superfície do intestino delgado. Podem ser indícios de doenças como: pancreatite crônica, doença celíaca, doença de Crohn, fibrose cística, dentre outras.”

EQUIPAMENTO

Presença de sangue

“Pode ser provocada por lesões no reto ou ânus, geralmente hemorroidas ou fissura anal. Também pode ser sinal de doença no cólon, como tumores e divertículos. Disenterias causadas por gastroenterites bacterianas também podem provocar fezes sanguinolentas.

Importante não confundir a presença de sangue nas fezes com fezes apenas de coloração avermelhada, que pode ocorrer por consumo de alimentos ou bebidas com corantes de cor vermelha, consumo grande de beterraba, tomate, dentre outros alimentos.”

Outros problemas

Dr. Roberto Gomes explica que restos de comida também podem aparecer no cocô, já que nem tudo que consumimos é facilmente digerido. Exemplo disso é o milho. Entretanto, se é acompanhado de diarreia persistente, perda de peso ou outras alterações no hábito intestinal, é melhor procurar um médico.

Pessoa infectadas por parasitas também podem notar a presença de pequenas vermes nas fezes. Segundo o especialista, exames fecais podem identificar exatamente o agente.

Frequência

Além dos problemas que podem ser notados pelas fezes, o gastroenterologista explicou também que não há uma regra exata para a frequência de evacuações. “O ideal pode variar de três vezes ao dia a três vezes por semana. Se esse ritmo intestinal mudar ou estiver associado a algum incomodo como dor, aí, sim, vale a pena investigar.”

 

Anúncios