Câncer de estômago pode se desenvolver lentamente por muitos anos. Previna-se

O câncer de estômago, também conhecido como câncer gástrico, se desenvolve lentamente ao longo de muitos anos. O tumor pode surgir em diferentes partes do órgão, causando diversos sintomas e demandando diferentes formas de tratamento.

Um dos maiores prazeres da vida é poder provar um prato saboroso, uma tradicional sobremesa ou degustar um bom drink. Por isso, é fundamental conhecer um pouco mais sobre o mundo dos alimentos e, principalmente, como funciona o organismo depois que a comida passa pela boca. O estômago é um órgão do corpo humano que desempenha um papel importante na digestão.

Tudo que comemos tem um destino certo. Primeiro, o alimento passa pela faringe indo até o esôfago, que faz o transporte até o estômago, onde é misturado com o suco gástrico para transformar tudo em uma pasta espessa. Em seguida, esse bolo alimentar passa ao intestino delgado, dando continuidade ao processo digestivo. E, é nesse processo, que o organismo retira todas as vitaminas e nutrientes necessárias para o corpo humano.

O adenocarcinoma é o tipo mais comum (95%) dos tumores de estômago que se originam na mucosa. Bem menos frequentes são os linfomas, e os tumores neuro-endócrinos que podem produzir hormônios, além de outros tipos de tumores muito mais raros.

A grande incidência do câncer de estômago na primeira metade do século passado não é mais observada hoje em dia. Pode-se afirmar que o número de casos novos vem diminuindo cada vez mais, por razões ainda não totalmente conhecidas. Existem estudos que ligam esse fato ao aumento da utilização de sistemas de refrigeração para armazenar os alimentos, por exemplo. Antigamente, quando não existiam geladeiras, os alimentos eram mantidos conservados à base de sal e havia o consumo elevado de defumados, sendo esses alguns dos fatores que se acredita terem ligação com o desenvolvimento do tumor.

Não tem plano de saúde e precisa fazer exames de sangue, urina ou fezes? #tamojunto Peça o seu cartão fidelidade e tenha 50% de desconto em mais de 500 tipos de exames.Peça o seu É GRÁTIS 

O coordenador do Serviço Oncológico de Gastroenterologia do Icesp, Jorge Sabbaga, explica que uma das principais causas do câncer de estômago é a bactéria chamada Helicobacter pylori (H. pylori), que possui a incrível capacidade de sobreviver no meio extremamente ácido do estômago. A acidez gástrica funciona como um mecanismo de defesa do nosso organismo contra as bactérias que são ingeridas junto com os alimentos, só que a H. pylori foi evolucionariamente adaptada a viver em um meio tão hostil. Ela ataca exclusivamente a mucosa gástrica, causando lesões e inflamações que podem levar a gastrite, úlcera e até ao câncer de estômago.

É sabido também, que grande parte das pessoas apresentam essa bactéria, sendo, no entanto, poucas as que desenvolvem o câncer. Portanto, a H. pylori não é a única causadora do câncer de estômago, existem outros fatores de risco.

O médico explica que um tipo específico de câncer de estômago tem aumentado sua incidência ao longo das últimas décadas, é o tumor que se instala na porção de cima do estômago, próximo ao esôfago, numa região chamada cárdia. “Este câncer está relacionado à obesidade, ao refluxo gastresofágico e a fatores alimentares, além do consumo de bebidas alcoólicas e o tabagismo”, destaca Sabbaga.

É fundamental manter um peso adequado ao longo da vida, ingerir alimentos saudáveis e praticar atividades físicas. A obesidade pode trazer riscos não só para o estômago, mas para o desenvolvimento de outras doenças.

Raramente pessoas com câncer de estômago apresentam sintomas na fase inicial, por isso ele é tão difícil de ser diagnosticado precocemente. Entre os sinais que podem ser observados está a perda de peso, dor ao engolir e abdominal, emagrecimento, azia e indigestão, vômitos com ou sem sangue, além de inchaço ou acúmulo de líquido no abdome.

O tratamento, na maioria das vezes é cirúrgico, podendo ser feita a retirada total ou parcial do estômago. Utiliza-se também, de acordo com a necessidade de cada paciente, uma combinação com a quimioterapia e radioterapia.

No Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), uma média  de 2,5 mil pacientes fazem ou já fizeram o tratamento para o câncer de estômago.

 

Anúncios